Biografia de Luiz Pinto Ciulla

 

*Abelardo Ciulla e Leandro Ciulla

Luiz Pinto Ciulla nasceu em Porto Alegre, 21 de junho de 1911. Filho de um imigrante italiano (Salvador Ciulla) proveniente da cidade de Católica Eraclea na Sicília. Salvador, pai de Luiz, veio com os demais membros da família visando inicialmente trabalhar em Buenos Aires, Argentina.

Em busca de melhores condições de vida, eram artistas e artesões. A mãe de Luiz Ciulla chamava-se Antonina Pinto, nascida em Porto Alegre, filha de imigrante português (Antônio Pinto – avô de Luiz) que trabalhava no comércio. Ele tinha três navios, que traziam petróleo de Rio Grande para Porto Alegre. Salvador (pai de Luiz Ciulla) casou-se em Porto Alegre com Antonina (conheceram-se no Brasil). Tiveram uma prole de nove filhos. Sendo Luiz o segundo filho. Moravam numa chácara na avenida Farrapos, lugar em que passou sua infância. Brincava muito com os irmãos, e ainda pequeno se destacava por ser uma criança esperta, tanto que seu avô materno, notando esta qualidade queria levá-lo à Portugal para estudar Direito em Coimbra, mas sua mãe Antonina não consentiu.

Luiz Ciulla estudou no colégio Anchieta. Nos primeiros anos da escola, era uma criança criativa e passava as aulas desenhando e pouco se importava com estudos. Até que um dia, no primário, um dos padres disse-lhe: “seu pai é um homem muito bom e trabalhador, tem nove filhos para criar e você passa a aula toda desenhando, nem vale a pena vires para a escola, pois, se um dia tiveres um anel não será de doutor e sim de carroceiro”. Estas palavras o marcaram muito. Desde então ele começou a se empenhar nos estudos e tirar boas notas. Mas inicialmente os professores pouco acreditavam nele. Até que então, numa lição oral, cujas respostas eram corretas, o padre (professor) deu a nota sete, e um colega que no futuro se tornou neurologista (Celso Aquino) contestou o professor dizendo que Luiz havia acertado toda prova, porque então tiraria nota sete! O padre jesuíta perguntou então para Celso que nota ele merecia! Celso respondeu: “nota dez”. O Padre deu nota nove.

Aos poucos os professores foram percebendo que Luiz realmente vinha se dedicando aos estudos. Neste período começou a ser sempre o aluno com as notas mais elevadas da classe. “As vezes fazia travessuras e recebia castigos no colégio”. Nos castigos tinha que estudar latim, desde então passou a fazer poesias em latim. Luiz Ciulla se tornou o melhor aluno do Anchieta até o final do curso. No último ano do colégio, os professores jesuítas resolveram colocar alguns alunos em teste e novamente Luiz ficou em primeiro lugar. Nesta época Getúlio Vargas, que havia estudado no Anchieta (Anchietano), era governador. Em uma homenagem escolar presenteou o melhor aluno (Luiz) com uma bela máquina fotográfica. O que na época representava um grande reconhecimento.

Luiz Ciulla decidiu estudar medicina. O seu irmão mais velho Saul Pinto Ciulla (futuro ginecologista obstetra), já havia entrado na Faculdade. Saul também sempre foi muito reconhecido pelo trabalho, realizou inúmeros partos em Porto Alegre com extrema competência. Luiz ao estudar para o vestibular, ingressou na faculdade de medicina, em primeiro lugar na UFRGS. Fez toda faculdade  obtendo a maior média final, e recebeu uma medalha de ouro – prêmio D. Amélia Berchon des Essarts (este prêmio é destinado ao estudante da Faculdade de medicina que fizer e terminar seu curso com as notas de merecimento mais elevadas) em 1935, ano em que se formou, sendo o orador da turma.

Após término da Faculdade começou a trabalhar na área da neurologia (doenças do sistema nervoso) que englobava neurologia e psiquiatria. Passou no concurso público como médico do hospital psiquiátrico São Pedro, atuando nas áreas de neurologia e psiquiatria. O diretor do hospital era o Doutor Jacinto Godoy, e Luiz por sua dedicação na época, ainda médico jovem, 23 anos, chamou a atenção de Godoy por sua inteligência e competência no trabalho. Os dois médicos debateram inúmeros casos clínicos e iniciaram uma grande amizade. Jacinto então diretor do hospital fizera sua formação em psiquiatria na França com renomados psiquiatras Europeus.

Com a fundação do Sanatório São José por Jacinto Godoy e Álvaro Barcelos, empresário na época, Luiz Ciulla passou também a trabalhar como médico residente neste Sanatório, portanto os laços de amizade se intensificaram com a família Godoy.

Aos 30 anos de idade Luiz casou-se com Elsa De Leo (23 anos) filha de imigrantes italianos. Elsa, sua esposa, era filha de José De Leo que veio da Itália trabalhar no comércio, tornando-se um comerciante muito importante. Elsa dedicou-se ao magistério e foi uma aluna de destaque no Colégio Sevigné. Ela se tornaria professora e futura diretora da escola em Alfredo Chaves (Veranópolis). Retornou a Porto Alegre, onde se casou com Luiz. Elsa se dedicou ao lar e associações beneficentes, tornando-se presidente da associação Madre Augusta do Sevigné. Deste casamento teve dois filhos, Maria Madalena Ciulla, historiadora, e Abelardo Ciulla, médico psiquiatra. Abelardo, casado com Inge Ciulla, professora em letras e escritora. Abelardo e Inge tiveram dois filhos (netos de Luiz) Leandro Ciulla e Veronica Ciulla, também médicos psiquiatras.

Por volta de 1946 Luiz Ciulla com 34 anos realizou sua especialização em psiquiatria na Universidade de Columbia em Nova York. Retornou dos Estados Unidos após 2 anos de curso. Ao retornar aumentou consideravelmente a procura de pacientes por ele. Neste período Dr. Godoy veio a falecer. Na clínica São José ficaram trabalhando o filho de Jacinto Godoy e Luiz Ciulla. Luiz prestou concurso para professor assistente do Hospital São Pedro, obtendo novamente o primeiro lugar. Nesta época os contemporâneos eram Cyro Martins, Mário Martins e Victor de Brito Velho. Luiz e Jacinto Godoy eram mais dedicados a psiquiatria clínica, na época as escolas francesas e americanas davam ênfase a neuropsiquiatria, tratamentos biológicos e psicofarmacologia.

Luiz publicou vários trabalhos científicos. Em 1976 escreveu o livro “Saúde Mental, nas Etapas da Vida” para profissionais de saúde mental, estudantes de medicina e psiquiatria e para população em geral. O livro foi lançado no IV Congresso Brasileiro de Psiquiatria realizado em Fortaleza.

Faleceu aos 67 anos de idade, vítima de complicações da artrite reumatoide em 16 de março de 1979. Luiz Ciulla tinha uma personalidade otimista, era muito trabalhador e dedicado a família e aos netos, cativante pela sua erudição. Uma pessoa reservada e amorosa com a família, e quando tratava de assuntos referentes a psiquiatria mostrava grande entusiasmo. Foi diretor do Hospital São Pedro em 1961 a 1962. Conseguiu em sua gestão humanizar mais o tratamento do doente mental, aumentando sua assistência, pois nesta época havia uma grande carência, nos cuidados com a saúde mental.

Bibliografia

  1. Ciulla, Luiz Pinto. Aspectos da Lobotomia Frontal na Psicopatia. Medicina e Cirurgia. Porto Alegre. 1954; 16(1).
  2. Ciulla, Luiz Pinto. Considerações sobre a Psicocirurgia. Resultado da Leucotomia Cerebral em dez casos. Arquivos Do Departamento Estadual Da Saúde. 1944.
    Notes: Apresentado no 1o. Congresso Sul-Americano de Neurocirurgia. Montevideo
  3. Ciulla, Luiz Pinto. Contribuição ao tratamento das depressões com Tofranil. J.Bras.Psiquiat. 1960; 9(1,2):79-92.
    Notes: Idem em Acta Neuropsiquiátrica Argentina 1960, abril-junho 1960
  4. Ciulla, Luiz Pinto. Contribuição A Nova Classificação das Doenças Mentais. Rev. De Psiquiat. Do CELG. 1962; 2(3-4):19-21.
  5. Ciulla, Luiz Pinto. Insulinoterapia no morfinismo. Rev. Medicina e Cirurgia. 1942; 4(..):343-345.
  6. Ciulla, Luiz Pinto. Intoxicados pela maconha em Porto Alegre. Arq. Do Serv. Nac. De Saúde Mental. 1943; (..):578-585.
  7. Ciulla, Luiz Pinto. Intoxicados pela maconha em Porto Alegre. In: Maconha (Coletânea De Trabalhos Brasileiros). Serv. Nac. Educ. Sanitária. 1958; 1(1):377-382.
  8. Ciulla, Luiz Pinto. Juventude contra a Sociedade. Rev. Bras. De Saúde Mental. 1967; 11(1):13-35.
    Notes: Apresentado no VII Congresso Nacional de Neurologia e Psiquiatria e Higiene Mental em Fortaleza 1965
  9. Ciulla, Luiz Pinto. Lobotomia Frontal nas Doenças Mentais. Estudo de 150casos. Anais Do IV Congresso Latino-americano De Neurocirurgia. 1951.
  10. Ciulla, Luiz Pinto. Menores Anormais do Carácter. Revista Do Ensino. Porto Alegre. 1942.
  11. Ciulla, Luiz Pinto. Penicilina e Neuro-sífilis. Conclusões sobre doze casos. o Hospital. Rio De Janeiro. 1946.
  12. Ciulla, Luiz Pinto. Saúde Mental, Estado e Comunidade. Rev. Neurobiologia, Recife. 1963; 26(1):53-67.
  13. Ciulla, Luiz Pinto. Saúde Mental nas etapas da vida. Porto Alegre, Editora Movimento. 1976.
  14. Ciulla, Luiz Pinto. Tratamento do Alcoolismo por reflexo condicionado. Arq. Do Serv. Nac. De Saúde Mental. 1944; 568-577.
  15. Ciulla, Luiz Pinto. Vários. Comunicações a Sociedade De Neuropsiquiatria Do Rio Grande Do Sul.
    Notes: Método Búlgaro no Parkinsonismo
    Convulsoterapia pelo Cardiazol Venoso. Estatística.
    Reação de Kottmann. Em colaboração com o Professor Rafael Cabeda Sobrinho.
    Um caso de caquexia hipofisária. em colaboração com o Dr. Jacintho Godoy
    Delírio Paranoico episódico.
    Melancolia, Delírio e Negação.

Psychiatry On-line Brazil

Psychiatry On-line Brazil é o primeiro periódico eletrônico brasileiro em Psiquiatria. Foi criada em julho de 1996 pelo médico psiquiatra Giovanni Torello. Esta revista está associada à Psychiatry On-line (International Journal of Psychiatry), a edição britânica criada por Ben Green em 1994.

A Psychiatry On-Line Brazil destina-se a psiquiatras, residentes e estagiários em Saúde Mental, estudantes de Medicina e profissionais de áreas afins com intuito de:

  • divulgar trabalhos de autores brasileiros;
  • facilitar o acesso aos melhores sites e banco de dados em Psiquiatria;
  • criar um espaço de discussão de temas variados associados à Psiquiatria e áreas afins.