Dependência da internet, celular e FOMO – Fear of missing out

A necessidade de compartilhar cada momento da vida nas redes sociais e de acompanhar o que os outros estão fazendo, pode ser considerada um tipo de dependência e, muitas vezes, requerer acompanhamento profissional. Este tipo de comportamento é chamado de FOMO, “fear of missing out” ou “medo de estar perdendo algo” e é um tipo de transtorno de controle dos impulsos, assim como a cleptomania, por exemplo.

A grande maioria das pessoas, por mais tímido que seja, gosta de estar integrado, fazer parte de algo maior. A internet e as redes sociais facilitam o encontro de personalidades afins de forma rápida e sem muito esforço ou exposição –  o que por vezes pode ter o efeito contrário. Inserido em grupos, a autoestima e o sentimento de aceitação, passam a ser diretamente proporcionais a quantidade de avaliações nas publicações.

Os grandes centros urbanos e a valorização da cultura 24/7 – dia de 24h e 7 dias por semana –  quase que impedem que o indivíduo desconecte-se, trazendo prejuízos para os relacionamentos aproximado e criando um paradoxo: o celular contribui quando reduz distâncias e prejudica quando cria abismos físicos.

Na cidade de São Paulo, a maior e mais movimentada do Brasil, o Hospital de Clínicas de SP oferece um programa gratuito de tratamento para dependentes de internet. Entre os sintomas comuns estão depressão, privação de sono, perda de interesse em atividades sociais, produtividade reduzida no trabalho e, até mesmo problemas físicos, como dores de cabeça, problemas de visão e coluna.

Foi, portanto, elaborado um teste simples, mas interessante para ver se alguém possui o problema.

Se você apresentar pelo menos 5 dos 8 critérios abaixo descritos, procure por um especialista para uma melhor avaliação:

1 – Preocupação excessiva em manter-se informado sobre o que há de novo na internet;

2 – Necessidade de aumentar o tempo conectado (online) para ter a mesma satisfação;

3 – Exibir esforços repetidos para diminuir o tempo de uso da Internet;

4 – Apresentar irritabilidade e/ou depressão e por isso aumentar o período conectado;

5 – Quando o uso da internet é restringido apresenta desequilíbrio emocional que só é regulado com a volta da conexão;

6 – Permanecer mais conectado do que o programado;

7 – Ter o trabalho e as relações familiares e sociais em risco pelo uso excessivo;

8 – Mentir aos outros a respeito da quantidade de horas conectadas.