O bullying no ambiente escolar é mais frequente e muito mais nocivo

Estudos realizados no Reino Unido referentes aos impactos do bullying sofrido na infância apontam que aqueles passaram por situações como essa têm duas vezes mais chances de incidência de depressão e/ou comportamentos e ideias suicidas. O que chamamos de bullying – assédio moral – compreende toda e qualquer atitude física ou verbal que tenha o propósito de causar dor, angústia e humilhação a outra pessoa.

Quando acontece na infância, o bullying possui um nível maior de preocupação, uma vez que a personalidade da pessoa está em formação, além disso, muitas vezes é difícil que a vítima relate o ocorrido por medo de represália, vergonha, por achar que os demais não irão o “levar a sério” etc. Isso porque – e por mais incrível que isso lhes pareça -, muitos pais e educadores ainda tendem a acreditar que não é algo sério e que a criança pode e deve aprender a lidar com os problemas “sozinha”, ou que estás apenas exagerando.

Mesmo que o bullying seja uma prática muito antiga e que pode ocorrer em diferentes contextos, é no ambiente escolar que ele ocorre com mais frequência. Hoje, porém, sabe-se que esse comportamento é extremamente nocivo – muito mais para a vítima, mas também para quem o pratica – e que ao contrário de outros tempos, deve ser levado a sério e investigado profundamente, visto que muitas vezes não é revelado por quem o sofre.