Álcool na adolescência

A substância psicoativa mais consumida em todas as faixas etárias é o álcool, de modo que é uma grande preocupação pública devido à suas profundas consequências, a curto e longo prazo. Nos adolescentes, o beber compulsivo está intimamente ligado a acidentes em estradas, situações em que é vítima ou causador de violência, engajamento precoce em atividade sexual insegura ou a delinquência. Nessa fase, os indivíduos tornam-se mais propensos a desenvolver transtornos relacionados ao uso de bebidas alcoólicas ao virarem adultos.

Alguns estudos europeus relatam que nove em cada dez adolescentes já consomem álcool, onde 38% das meninas e 43% dos meninos entre 15 e 16 anos relataram consumo excessivo do álcool. No Brasil, oito em cada dez adolescentes consomem álcool, onde 32% relatou cometer excessos com a bebida.

O uso de álcool por parte dos pais parece sempre estar relacionado ao comportamento futuro do filho diante do álcool, tanto no que se refere à iniciação precoce quanto aos níveis do consumo. Isso se deve não apenas à repetição do modelo dos pais, mas também pelos mesmos serem mais permissivos com os filhos. Por outro lado, também constatado no estudo, uma boa relação entre pais e filho – e não apenas sobre o tema álcool -, bem como a desaprovação ao consumo de bebidas alcoólicas está associada a níveis baixos deste consumo.

Fonte: Brazilian Journal of Psychiatry | ABP