Considerar algo ou algum comportamento como “normal” é uma ótica que está intimamente ligada a fatos recentes de uma cultura de uma determinada região e, claro, de um determinado ponto da história. Desta forma, mesmo que pegássemos qualquer amostra algum desses momentos da evolução, o consenso de normalidade ainda é algo que não está perto de um consenso.

Entretanto, no que se refere à psiquiatria, considera-se a um comportamento que foge muito àquele que o paciente apresentava num período relativamente recente. Este, mesmo que não perceba de imediato, acaba por cometer prejuízos significativos a si e aos outros.

Na grande maioria das vezes, são as pessoas mais próximas que percebem alguma ruptura no comportamento da outro, quando, enfim, a psiquiatria entra com meios e diagnósticos para avaliar o estado do paciente.